A Espiã que Sabia de Menos – Análise

by

espiaquesabiademenos_2-750x380

 

Quando vemos um filme de comedia estreando no cinema, logo ficamos com uma pulga atrás da orelha ao vermos que muitos filmes desse gênero tem a história repetitiva e piadas iguais.

Ao vermos o nome do filme, logo lembramos de James Bond e já imaginamos uma sátira em cima da profissão do mesmo, mas esse filme foge um pouco da regra, o que já estávamos precisando.

Susan Cooper (Melissa McCarthy) é uma despretensiosa analista de base da CIA, e heroína não reconhecida por trás das missões mais perigosas da Agência. Mas quando seu parceiro (Jude Law) sai da jogada, e outro agente (Jason Statham) fica comprometido, Susan se voluntaria para se infiltrar no mundo de um traficante de armas mortais e evitar um desastre global.

A primeira coisa que deve ser comentada é sobre o elenco. Sabemos que Melissa McCarthy é uma boa comediante e que vai nos fazer dar muita risada, mas a surpresa são as atuações de  Jason Statham e Jude Law que mostraram que são ótimos comediantes. Os atores coadjuvantes também sabem marcar suas cenas e dão o apoio necessários, não sendo apagados pelos atores principais.

A história segue a linha de outras produções, onde a personagem é excluída no meio e tem a oportunidade de salvar o mundo. O diferencial foi que a personagem de Melissa McCarthy, Susan Cooper, realmente é uma espiã e não ter cinco minutos de treinamento no filme e transformar o personagem num super agente. Fine, personagem de Jude Law, e Ford, de Jason Statham trazem dois tipos de espiões que estamos acostumados a ver: típico agente inglês que com todo seu charme e elegância salva o mundo, e o agente barra pesada, estilo Bruce Williams que se arrebenta todo e no final da missão vai tomar sua cerveja, mesmo assim conseguiram fazer um diferencial que nos fez ver que nem sempre o terno ficara intacto depois da luta ou que é o bandido que realmente machucou o herói.

As cenas de ação deixaram a desejar em alguns momentos, ainda mais por notarmos que realmente eram dubles, principalmente nas cenas de Melissa, onde notamos que é um homem realizando a cena.

Um dos pontos altos é a trilha sonora. As musicas foram escolhidas a dedos, onde cada lugar mostrado no filme, tem sua musica tema representando o país e que contagia a você a cantar junto. E não pode ficar de fora a musica tema do filme, onde faz uma homenagem ao grande James Bond, onde a abertura é bem estilo dos filmes desse agente.

É um filme para os amantes de gênero, onde risos e gargalhadas são garantidas. E ver que nem sempre os espiões tem missões divertidas e disfarces gloriosos.

Comments

comments

Liked it? Take a second to support Isabelle Prado on Patreon!