Critica | A Colina Escarlate

by

“Fantasmas são reais…” – Edith Cushing.
maxresdefault (1)

Mesmo com a estetica e clima de terror, Guillermo del Toro descreve o filme como “Uma história de fantasma e romace gótico”, o que não quer dizer que levaremos uns sustinhos durante a exibição. Com um enredo envolvente, nos mostra um lado assustador dos seres humanos que superam das criaturas sobrenaturais. Sinceramente, os fantasmas por mais horripilantes que aparentam, parecem ser mais bonzinhos que certos personagens.

Apaixonada pelo misterioso Sir Thomas Sharpe (Tom Hiddleston), a escritora Edith Cushing (Mia Wasikowska) muda-se para sua sombria mansão no alto de uma colina. Habitada também por sua fria cunhada Lucille Sharpe (Jessica Chastain), a casa tem uma história macabra e a forte presença de seres de outro mundo não demora a abalar a sanidade de Edith.

Um ponto alto já notado logo no inicio é o visual do filme. Vestuários e cenários, só não preenchem a cena como completam a história. Os figurinos logo nos contam as personalidades de cada personagem e sua evolução no decorrer da história. Como o caso da mocinha Edith, que usa cores fortes mas puras, mostrando sua força interior, porém sua inocência em relação ao misterioso Thomas Sharpe. E no decorrer, suas vestes tem as cores escuras e misteriosas acrescentadas, mostrando o corrompimento que sua personalidade sofreu pela presença dos irmãos Sharpe. E falando nos irmãos, suas cores são assombradas e marcantes, nos revelando que ali há segredos e mistérios, e que nada vem de bom.

Crimson-Peak-Tom-Mia

O cenário que mais destaca e entendemos melhor essa ligação é o da casa dos irmãos, com aspecto velho e podre, e a argila vermelho dá a impressão que a casa sangra, – por causa dessas cenas compreendemos o nome do filme –  entendemos que a história é bem mais embaixo. Uma curiosidade que o lugar e tudo dentro foram realmente construidos e nada foi reutilizado, tudo produzindo especialmente para o filme. Infelizmente, a construção foi derrubada assim que as filmagens terminaram.

Os fantasmaa não são os pontos principais, mas suas participações são parte do quebra cabeça do mistério que envolvem Thomas e Lucille. Com aspectos bem diferente dos padrões cinematograficos, nos faz acreditar que eles fazem parte do nosso plano. A aparência mostra a dor e o sofrimento que cada morte teve, quanto pior a morte, pior é a aparência.

crimson-peak-movie-trailer

O elenco é formado com grandes talentos da atualidade, Wasikowska entrega bem seu trabalho, representando a heroína inocente e indefesa que sonha ao mesmo tempo confiante e força para enfrentar os problemas, como lutar para publicar sua história. Uma coisa interessante que no começo do filme, ela é comparada a escritora Jane Austen e logo repele a comparação. Curioso que a Edith lembra muito uma das personagens da autora mundialmente famosa por Orgulho e Preconceito.

Hiddleston nos da atuação de primeira. Misterioso e sedutor, tudo no ponto certo nos fazendo ficar dividida sobre seu caráter, mesmo quando descobrirmos os segredos da familia Sharpe. Francamente, é difícil imaginar como seria esse personagem interpretado por outro ator ou pela primeira opção, Benedict Cumberbatch.

crimson-peak-jessica-chastain-hiddelston-mia-wasikowska-00063r

Chastain roubou a cena do filme. Cada fala, cada ação e cada gesto, indicava sua verdadeira personalidade escondida por uma mascara fria. Não duvido ser premiada por esse papel.

Charlie Hunnam, intepreta o amigo da familia e doutor Alan McMichael, um personagem que ficou apagado, só servindo para ser a pessoa que nos revela uma parte dos mistérios do longa. Uma pena.

E a participação de Jim Beaver, que faz o papel do pai de Edith, Carter Cushing. Mesmo sendo só uma participação, fez um bom trabalho marcando sua presencia.

O roteiro é um pouco fraco, trazendo clichês já tão bem conhecidos, alguns pontos são previsíveis, no entanto não deixa o filme a desejar e não estraga a tensão do clímax. O começo é um pouco parado, podendo dispersar o espectador que não gosta dessa, porém na metade do longa, você sente-se envolvido ao trama e não consegue nem piscar os olhos. E quem se atreveria a piscar nesses

Aos amantes de terror – mesmo como já disse não sendo considerado – , romances góticos e fãs de Del Toro, devem conferir ” A Colina Escarlate”. Não só um deleite para nossos olhos com sua pela produção, mas por ser um destaque entre tantos filmes genéricos desse gênero. Como diz Edith Cushing: “A história tem fantasmas, mas não é sobre fantasmas.”.

tumblr_nof4omeD6w1urjsaqo6_500

Comments

comments

Liked it? Take a second to support Isabelle Prado on Patreon!